quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

O retrato de Dorian Gray. Parte II (Para ler antes de morrer)

O Herói conhece o seu primeiro amor, uma jovem atriz, Sibyl Vane, de apenas 17 anos. Apaixona-se por sua beleza e talento. Resolve casar-se com ela. Convida Basil e Lorde Henry para assistir a uma dramatização da jovem. Antes de Dorian, toda a energia dessa atriz estava centrada para os palcos, mas agora estava voltada para o amor a Dorian. Perdendo a capacidade de atuar, é desprezada cruelmente por Dorian. O desespero da perda de seu amor, leva-a ao suicídio. Tal fato exerceu uma primeira mudança no caráter do herói, o que se faz sentir em seu retrato. Percebe algo de estranho em seu sorriso: espécie de cinismo e maldade. Outros acontecimentos exercem sobre o caráter do herói influências profundas, alterando sua personalidade.
Todas essas mudanças são visíveis no quadro de Dorian Gray que se modifica conforme sua personalidade sofre alterações, como se sua alma ficasse transfigurada, o que o faz esconder o seu retrato.
O ideal de Dorian, incitado por Lorde Henry é a busca de prazer. As consequências disso são desprezadas em nome de um valor maior.
Dorian parece ser aquele jovem em busca de uma identidade. As influências sobre ele são devastadoras. Entregando-se aos prazeres sensuais, vive uma vida decadente. O seu retrato parece registrar as suas transgressões, o que o horroriza. O contrário do que pensou ocorre. Ao invés de envelhecer e o seu retrato permanecer o mesmo, ocorro o oposto: ele se mantém com a aparência jovem e bela, enquanto o seu retrato envelhece. Representa a sua alma decadente.
Dorian, no seu mundo de prazeres, tornou-se frio. Destruiu vidas, assassinou seu amigo Basil, quando este descobriu o seu segredo. Levou um outro amigo, um químico, ao suicídio após obrigá-lo a livrar-se do corpo moribundo.
Escondendo as provas de sua culpa, acreditou que seria o suficiente, mas não conseguiu libertar a sua consciência do peso de suas ações.
Passados 25 anos da morte do primeiro amor de Dorian, um irmão daquela atriz retorna da Austrália. James Vane procura pelo sedutor de sua irmã para matá-lo, porém morre em um acidente. Este fato liberta Dorian Gray de sua vida de sedução e prazer. Pensou ser possível curar a sua alma e levar uma vida pura. Amaldiçoou sua beleza e mocidade, culpando-a de suas desgraças.
Apesar de suas boas ações, o quadro não se alterara, denunciando a decadência de sua alma. O seu retrato estava ali para condená-lo, bastava fitá-lo. Diante daquela figura monstruosa, que lembrava à sua consciência de todas as suas ações horrendas, comete, ao final, suicídio.

Continua...


Nenhum comentário:

Postar um comentário