quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

O vermelho e o negro. Parte II (Para ler antes de morrer)

Stendhal é o pseudônimo para Henri Beyle. O vermelho e o negro é visto pela crítica como o romance que marca, na literatura francesa, o início do realismo, rompendo, pois, com o romantismo. E uma das características do realismo é a verossimilhança.
Stendhal viveu aqueles anos agitados na França entre os fins do século XVIII e princípios do século XIX. Por meio de Sorel, ele discute questões políticas e sociais do período. O autor percebeu as mudanças pelas quais passava a França e expressou, por meio da arte, uma imagem dos costumes naqueles agitados anos.

Mas, acima de tudo, creio, a grande questão do romance são os conflitos psicológicos que atormentam não apenas os personagens centrais. Julien Sorel, como disse antes, uma espécie de anti-herói, é um personagem complexo, contraditório, em profundo conflito interior. A narração, em terceira pessoa, se prende muito mais às reflexões dos personagens do que propriamente às ações, o que caracteriza O vermelho e o negro como um romance psicológico. Dito de forma diferente, a atenção é dada não aos fatos em si, mas como as pessoas os vivenciaram. Como elas os interiorizam e refletem sobre eles, como elas agiam diante de situações concretas, negociando e tendo por base seus interesses.
O romance dá vazão aos jogos de sedução, conflitos de interesses que perturbam os personagens. Sorel é, não apenas ambicioso, mas também uma espécie de hipócrita, calculista, um estrategista nato capaz de usar de qualquer artifício para conseguir o que queria, não se importando tanto com as consequências de seus atos, numa atitude de desprezo pela sociedade no seio da qual, almeja a uma posição. O irônico é que essa mesma sociedade é aquela que o condenará no final.

Mas Sorel não é apenas aquela figura sedutora e segura daquilo que busca. É alguém que é atormentado por um profundo complexo de inferioridade. E toda a busca é pelo reconhecimento, gloria e posição social. Suas fraquezas são denunciadas.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário